A (minha) hora de ter filhos

Foto cortesia

Há tempos eu penso em escrever esse post, mas sempre deixo guardado num canto, principalmente por achar que posso ser rude com pessoas que verdadeiramente se preocupam com o meu bem-estar. Contudo, acho que chegou a hora de falar claramente sobre esse assunto tão delicado.

Depois que você casa, o que mais te perguntam é “quando é que você vai ter um filho?” Geralmente eu sorrio, digo a elas que devem perguntar pro Rob, ouço a opinião alheia (ou pelo menos finjo ouvir com um sorriso amarelo estampado no rosto), e sigo adiante com a minha vida.

Acho que essa é uma pergunta especificamente importante dentro da cultura SUD. Caso você não saiba, eu sou membro d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, aonde aprendi a importância de uma família eterna, do valor dos filhos dentro de um lar, e de se ter uma família centralizada em Cristo.

Num discurso recente, Elder Andersen praticamente resumiu tudo aquilo que acredito sobre família: “A família é ordenada por Deus. A família é essencial ao plano de nosso Pai Celestial aqui na Terra e nas eternidades. Depois que Adão e Eva foram unidos em casamento, a escritura diz: “E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra”. Em nossos dias, os profetas e apóstolos declararam: “O primeiro mandamento dado a Adão e Eva por Deus referia-se ao potencial de tornarem-se pais, na condição de marido e mulher. Declaramos que o mandamento dado por Deus a Seus filhos, de multiplicarem-se e encherem a Terra, continua em vigor”.

Contudo, no mesmo discurso ele também disse: “Irmãos e irmãs, não devemos julgar uns aos outros nessa responsabilidade sagrada e particular”.

Dentre todas as coisas que aprendi na minha igreja, o que considero ser de maior importância é amar um ao outro assim como você ama Deus. Aprendi que não devemos julgar pessoas que usam jeans ao invés de saia nos domingos, que devemos amar aqueles que são imperfeitos, que devemos servir os que estão passando por dificuldades, que devemos dar tempo aos outros para que eles tenham a sua própria revelação PESSOAL, e que devemos RESPEITAR aqueles que são diferentes de nós.

Filhos são uma decisão delicada. Muitos casam sonhando em tornarem-se pais, enquanto outros têm dificuldade em engravidar, se esforçam para ter a fé necessaria para ter filhos em situações difíceis (financeiramente ou emocionalmente), ou simplesmente não querem ter um. Seja qual for o motivo, sempre aprendi a não julgar o meu próximo e a respeitar o TEMPO de cada um com relação a uma decisão tão ÍNTIMA e PESSOAL, assim como aprendi a não julgar em tantas outras situações.

Sei que no dia que disse “sim”, olhando dentro dos olhos do meu noivo, diante do altar de Deus, eu sabia que os filhos seriam uma feliz e grata consequência de nossa união de marido e esposa. E é nessa união tão sagrada e tão especial, dentro desse lar tão cheio de amor e respeito que temos construído através dos anos, que nos reservamos o direito como esposo e esposa de decidirmos a hora de ter filhos ou não, e de não respondermos a essa pergunta tão íntima — dessa vez sem um sorriso amarelo.

7 comentários

  1. Nossa até me arrepiei!! Amo vocês...

    ResponderExcluir
  2. Amei!!!!! Quero ter netinhos mas como sempre digo às minhas filhas: Filhos não são como bonecas, não dá para dizer cansei de brincar e guardar no armário! Filho é para sempre e requer muita dedicação, abnegação, tempo, paciência... por isso, nada de pressa!

    ResponderExcluir
  3. Jessé Jorge8/14/2012 4:21 PM

    Exatamente... Exatamente! Tenho certeza de que quando essa hora chegar, a alegria vai ser de todos, mesmo os indagadores.
    Beijo pra vcs. Saudades!

    ResponderExcluir
  4. Adorei seu post Monica!! Disse tudo!!
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Que bom que vocês se identificaram e gostaram do post! :)

    ResponderExcluir
  6. Nossa, encontrei teu posto MUITO POR ACASO. Sou católica, mas tenho muitos amigos que seguem a tua religião. Uma inclusive foi morar nos EUA muito por conta da religião. A conheço desde os meus 13 anos e ela pensa EXATAMENTE ASSIM: casou = filhos, MUITOS de preferência. Ela já está no segundo. E certamente terá mais, veio de uma família cheia de mulheres...enfim, sempre respeitei muito a doutrina de vocês, mas também reconheço que existem muitas dificuldades para poder se levar a vida cotidiana normalmente.
    EU ME ARREPIEI TOTALMENTE COM TEU DEPOIMENTO. Simples, sincero, absurdamente humano.

    Acredito que estás no caminho certo. Não li nenhum outro post teu, só esse, mas já senti tanta vibração positiva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo seu comentario! Como disse no post, acredito mesmo que essa decisao de filhos seja muito pessoal, mas entendo como a cultura (religiosa, etc.) pode influenciar. Fico feliz que voce tenha lido e se identificado!

      Excluir

Curtiu? Tem perguntas? Então deixe um comentário!